Voltar à página inicial
 

 

 
Sergio Murilo (1941/1992) 
   
Origem: Dicionário Cravo Albin da MPB - Com adaptações
Conheçam também: Wikipedia
  SuperInteressante
  Discografia
  Clique e ouça várias músicas
 

Sérgio Murilo Moreira Rosa era seu nome completo, nasceu no bairro do Catete, no Rio de Janeiro em 2 de agosto de 1941. Sua mãe era Dna. Zazá e teve pelo menos uma irmã, Angélica Maria.
Foi um cantor e compositor brasileiro que fez parte da fase do rock anterior à Jovem Guarda, fazia parte de pioneiros como os irmãos Celly e Tony Campello, além de Betinho & seu Conjunto, Ronnie Cord, Carlos Gonzaga, Wilson Miranda, e outros.
Aos 12 anos (1953) já era animador infantil na TV Rio, três anos antes havia começado a cantar no programa "Os Curumins" da Rádio Tamoio. Em 1956 (15 anos) era considerado como o melhor de cantor de rock'n'roll e aparecia com frequência no programa "Trem da Alegria", da mesma rádio, cantando músicas rock-balada, muito em voga na época, no mesmo estilo de canções que faziam sucesso com cantores como Tony e Celly Campello.

1952 1956 1959 - Com a mãe em entrevista 1960 1961 - Com Neil Sedaka
Todas fotos extraídas da revista Radiolandia

No ano de 1956 apresentava na TV Rio um programa chamado "Gente Importante" ao lado de Sonia Muller, programa de calouros infantis.
Participou do filme "Alegria de viver" lançado em julho de 1958.

1953 - Provavelmente com a mãe e irmã 1958 - Cartaz do filme Cena do filme, Sergio Murilo e banda Sem data - Foto de estúdio

Em 1959 começou a participar no programa de Paulo Gracindo na Rádio Nacional, quando conheceu o compositor Edson Borges, e por intermédio dele conseguiu um contrato com a gravadora Columbia. No mesmo ano, lançou seu primeiro disco, interpretando a toada "Mudou muito", de Edson Borges e Enrico Simonetti e o samba canção "Menino triste", de Edson Borges, que era um compositor gravado por artistas não ligados ao gênero rock. Ainda em 1959, lançou um de seus maiores sucessos, a balada "Marcianita", de Marconi e Alderete, com versão de Fernando César, música que se tornou um clássico do rock no Brasil. Foi regravada por Raul Seixas em 1973 no disco "Os 24 maiores sucessos da era do rock" (ouça aqui). Vários outros cantores e cantoras também a regravaram.

Em 1960 (18 anos), começou a se preparar para prestar o vestibular da faculdade de Direito.
Alcançou outro grande sucesso com "Broto legal", com versão de Renato Corte Real e foi tema de longa reportagem da revista Radiolândia, recebendo então tratamento de ídolo. Participou do filme "Matemática zero, amor dez", de Carlos Augusto Hugo Christensen, cantando "Rock de morte". No mesmo ano, lançou LP com as musicas: "Marcianita"; "Dó-Ré-Mi"; "Put Your Head On My Shoulder"; "Lua Azul", versão de "Blue Moon"; "The Diary"; "Menino Triste"; "Se Eu Soubesse"; "É Meu Destino Amar", versão de "I'm In The Mood For Love"; "Oh! Carol"; "Estúpido Cupido” (Stupid Cupid); "Personality", e "Mudou Muito". Nesse ano suas gravações de "Estúpido cupido" e "The diary", com acompanhamento do maestro Lyrio Panicali foram incluídas na coletânea "As 14 Mais - Vol. 1", da gravadora Columbia. Ainda em 1960, lançou seu segundo LP, "Novamente Sérgio Murilo", com acompanhamento da Orquestra e Conjunto Bob Rose, no qual interpretou "Broto Legal” (I'm In Love); "Something Happened"; "Quando Ela Sai” (Shy); "Ding-a-ling"; "Trem do Amor” (One Way Ticket To The Blues); "It's Time To Cry"; "Pagando Trinta” (Love Song From Beauty And The Beast); "My Home Town"; "Querida” (Believe Me); "Shimmy Shimmy Ko-ko-bop"; "O Rock É Bom de Dançar” (You Gotta Learn You Rhythm And Blues) e "Pretty Blue Eyes".

Nos finais de tarde dos sábados, entre 1960 (19 anos) e 1962, Sergio Murilo apresentou na TV Tupi do Rio o programa “Alô Brotos”. Junto com ele estava Sônia Delfino. Acompanhados pelo conjunto de Oscar Castro Neves, o programa recepcionou iniciantes como Roberto Carlos, Wilson Simonal, Jorge Ben e Wanderléa.

Em 1961, gravou o LP "Baby" trazendo as músicas "Domingo de Sol"; "Baby"; "Tu És Tudo Para Mim” (You Mean Everything To Me); "Minha História de Amor” (The Story Of My Love); "Um Só Momento"; "Biquini de Bolinha Amarelinho Tão Pequenininho” (Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polka Dot Bikini); "Merci Meu Bem” (Merci Paris); "O Sininho da Matriz"; "Balada do Homem Sem Rumo"; "Abandonado” (Only The Lonely), Roy Orbison; "Tu Serás" e "Teenage Dance”. No mesmo ano, sua gravação para a balada "Domingo de Sol", de Rutinaldo e Vicente Amar, foi incluída na coletânea "As 14 Mais - Vol. VI", da CBS.

1960 ou 61 - Em shows assediado por fãs

1960 - Na TV

 1961 - Com Abelardo Barbosa, o "Chacrinha" 1961 - Programa de TV
 

1962 - Celly e Sergio
Rainha e Rei do Rock Brasileiro

Em 1962 (aos 20 anos) a Revista do Rock, após votação dos leitores, o coroou Rei do Rock brasileiro, principalmente por suas interpretações de versões de sucessos norte-americanos. A rainha do Rock foi Cely Campello, de São Paulo.

1965 - Capa da Revista
São Paulo na TV - maio

"A carreira de Sergio Murilo era considerada uma das mais promissoras de todo o Brasil... uma desavença com sua gravadora  redundou num corte abrupto na sua ascensão... ficou dois anos sem gravar até que o contrato com sua gravadora terminasse, o jovem cantor não conseguiu rescisão ou anulação do compromisso... decidiu abandonar sua carreira no Brasil e tentar a sorte em outros lugares. Visitou vários países da América do Sul, e conseguiu a custa de muito esforço e dedicação um lugar de real destaque." - Revista São Paulo na TV - maio de 1965

Em 1963 se apresentava com grande sucesso no Peru, onde recebeu os prêmios de "Artista estrangeiro mais popular" e "Microfone de prata". Chegou a morar por lá.

A partir de 1964 passou a gravar pela RCA Victor, na qual estreou com o compacto simples: "Festa de Surf", de Carlos Imperial, e "Dá-me Felicidade” (Free Me) versão de Rossini Pinto. Em seguida, lançou o LP "SM 64", que marcou uma mudança em seu repertório até então baseado em twists e versões de sucessos de Paul Anka e Neil Sedaka. Nesse LP registrou as composições "Lá Vai Ela"; "Festa de Surf"; "Novo Vai e Vem"; "Sinfonia do Castelinho"; "Rei da Brotolândia", "Duas Bonequinhas", de Erasmo Carlos e Roberto Carlos, autores que começavam a dar nova cara ao rock no Brasil, além de "Isto É o Que Resta ao Fim de Um Amor” (Cio' Che Rimane Alla Fine Di Um Amore); "Três Estrelas Brilharão Esta Noite” (Three Stars Will Shine Tonight); "Dá-me Felicidade” (Free Me); "Estrada da Barra"; "No Ano Setenta", e "Presta Atenção".

Em 1965, lançou o compacto simples "Te Agradeço Porque" (Ti Ringrazio Perché), versão de Aldacir Louro e "Você É de Chorar", de José Messias, e em seguida, o compacto duplo "Sérgio Murilo" que incluiu as músicas "Lucifer", de Baby Santiago; "Dançando O Letkiss” (Doin' The Jenks), versão de Rossini Pinto; "Shake", versão de Erasmo Carlos, e "Para Esquecer Você", de Rossini Pinto e Valdir Correia.
Sérgio Murilo também foi um dos primeiros cantores brasileiros de rock a mexer os quadris ao estilo Elvis Presley e também é considerado como um dos pioneiros do rock pauleira por lançar a música "Lúcifer", bastante criticada por ser muito avançada para a época.
Depois dessa época sua carreira já entrava em decadência, mas chegou a ser cogitado para apresentar o programa "Jovem Guarda":
... Sergio Murilo teria sido provavelmente o ídolo mais importante do rock brasileiro em sua primeira fase”. Mas com uma premiada carreira pela América Latina, acabou se distanciando do mercado fonográfico brasileiro. Não foi cotado para apresentar o programa Jovem Guarda por ser homossexual.” - Livro: Jovem Guarda - Em ritmo de aventura - Marcelo Froes, pesquisador, produtor musical escritor e advogado - 2000.
Outro nome cotado para apresentar o programa foi o de Tony Campello, mas também descartado por ter se casado pouco antes.
Por conta do grande sucesso alcançado no Peru Sergio gravou, ainda em 1965, o LP "El muchacho de oro del Brasil", todo em castelhano, com interpretações de músicas como "No Quisiera" e "Cuando Salga El Sol", "Lagrimas" e "Al Compas Del Amor”.

1966, lançou um último LP pela RCA Victor interpretando "O Dragão"; "Parece Mentira"; "O Pequeno Gastronauta"; "Não Tenho Ninguém” (As Tears Go By); "Ilusão Perdida"; "Por Mim Vai Chorar"; "Ontem"; "O Pão"; "Eu Te Saúdo Madame” (Je Vous Salue Madame); "Ela Tem Que Ser Meu Bem"; "Brotinho Apaixonado (I'm Gonna Get Married)", e "Incurably Romantic". No mesmo ano, lançou seu primeiro disco pela gravadora Continental, um compacto simples com as músicas "Coraçãozinho” (Piccolo Cuore), e "Açúcar” (Zucchero).

1968, lançou seu primeiro LP pela gravadora Continental com as músicas "A Felicidade” (La Felicidad); "Romeu e Julieta” (Romeo Und Julia); "Lili Marlene” (Lili Marleen); "Playboy"; "Comemoração” (Congratulations); "A Tramontana” (La Tramontana); "Dessa Eu Escapei"; "Há Sempre Um Sol Que Volta” (Immer Wieder Geht Die Somne Auf); "A Um Passo do Amor” (Step Inside Love), "O Que Somos Na Vida” (Aujourd'Hui C'est Toi) e "É o Fim” (Trink Summer), e "Se Tu Queres Deixar-me” (Se Tu Me Vuoi Lasciare).

1969, lançou compacto duplo com as músicas "M... De Mulher” (F... Comme Femme); "Coraçãozinho” (Piccolo Cuore) e "Açúcar” (Zucchero); "O Que Somos Na Vida” (Aujourd'Hui C'est Toi). No mesmo ano, lançou LP com composições novas de vários autores brasileiros. Foi também lançado no Peru, país onde conseguiu razoável sucesso, o LP "Sérgio Murilo em castellano" com a interpretação de músicas versionadas para o castelhano. Final desse ano gravou o tema tradicional "Sinos de Belém" (Jingle Bells), com adaptação de Evaldo Ruy, para o LP "Natal Feliz", da Continental.
Com seu sucesso em decadência no Brasil, existem notícias de que trabalhou cantando no Peru e também a gravar seus discos até o início dos anos 70.
No final da década de 1960 e início 1970 gravou vários compactos pelo selo Continental, porém sem obter sucesso. Em 1970, lançou compacto simples com as músicas "Tenho” (Tengo) e "A Guitarra” (Joue Guitarre).

1975, foi lançada pelo selo Entré/CBS o LP "Os grandes sucessos de Sérgio Murilo", que incluiu sucessos como "Marcianita"; "Oh! Carol"; "Broto Legal" e "Adam And Eve", entre outros.

1976 sua interpretação da balada "Broto legal" voltou às paradas de sucesso ao ser incluída na trilha sonora da novela "Estúpido cupido", da TV Globo, sendo ainda relançada pela CBS em compacto simples trazendo no outro lado o sucesso "Marcianita".

1961 ou 62 - Com Ronnie Cord

1962 - Com Emilinha, na capa da Revista do Rádio

Sem data, talvez anos 70 1989 - Na capa de seu ultimo disco

Em 1989 lançou, de forma independente, o LP "Sérgio Murilo", com coletânea de seus antigos sucessos, e também algumas músicas inéditas, mas vendeu pouquíssimo..
Depois disso muito pouco se conhece a respeito de sua carreira e de sua vida. Sabe-se apenas que se formou em Direto pela Faculdade Cândido Mendes e por muitos anos trabalhou como advogado. Também existem notícias que gravou em 1978 músicas em ritmo de discoteca no Peru, incluindo a música "Eu Sou a Mosca Que Pousou na Sua Sopa" de autoria de Raul Seixas, em estilo discoteca.

Sérgio Murilo morreu no dia 19 de fevereiro de 1992, aos 50 anos.
Noticia do falecimento de Sergio Murilo em 1992 em jornal não identificado:
“O cantor Sergio Murilo morreu em 19 Fevereiro 1992, às 4:10, aos 50 anos, de atrofia cerebral e insuficiência renal em sua casa em Copacabana. Mergulhara numa depressão profunda segundo sua irmã Angelica Maria Rosa Lerner, desde o lançamento, em 1989, de discos que não obtiveram nenhuma resposta do público.
Mais de 30 pessoas compareceram ao velório do Cemitério do Catumbi. O sepultamento ocorreu às 16:00 horas.”

Em 2000, teve seus LPs do período de 1959 a 1962 relançados pela Sony na coleção "Jovem Guarda". Teve gravações incluídas em mais de 20 coletâneas de sucessos.
Seu nome porém foi sendo esquecido e nos dias atuais são muito poucas as referências encontradas a seu respeito.

 

   
Marcianita, seu primeiro grande sucesso em gravação de 1976 Broto Legal, seu segundo grande sucesso em gravação de 1976
Lucifer, a polemica musica - 1965 Gravação feita na TV peruana (só áudio)
l Garoto de Oro del Brazil canta Te Agradezco Porque - 1965 Una mosca en la sopa - Anos 70 no Peru
Entrevista no Canal 9 do Rio de Janeiro - 1990 1990, apresentação em um clube no Rio de Janeiro (vídeo amador)
   
 

Página inserida em 01/09/2019

 
Voltar ao topo da página

  


Voltar à página principal