Voltar à página inicial
 

 

 
Rita Pavone (1945) 
   
Origem: Opus Promoções
Conheçam também: Discografia
  Curiosidades
Site oficial: http://www.ritapavone.it/
Vídeo Passagem pelo Brasil em 1964
 

Rita Ori Filomena Pavone nasceu em 23 de agosto de 1945, em Torino (Turim), Itália.
Filha de Giovanni Pavone (1911-1990) e de Maria Macchia (1918-1990) era a terceira de quatro filhos. Teve os irmãos: Giancarlo (1936-1938) (morto quando sua mãe estava grávida de seu segundo filho), Piero, Carlo e, abaixo dela, Cesare. A mãe Maria era dona de casa e o pai Giovanni, operário da Fiat.
Rita, já com 13 anos apresentou-se, em março de 1959, pela primeira vez para um verdadeiro público, no Teatro Alfieri (Turim), no espetáculo infantil 'Buongiorno Marziani', imitando o ator e cantor Al Jolson (1886-1950). Seus ídolos eram os cantores Paul Anka e Brenda Lee.
1959
Imitando Al Jolson
1962 - Premiação
Por Teddy Reno

Em 1962, seu pai reconhecendo o potencial artístico da filha a inscreveu (com quase 17 anos) em um concurso para descoberta de novos cantores, organizado e promovido pelo então cantor Teddy Reno (Ferruccio Merk-Ricordi). Em 1º de setembro, na finalíssima da Prima Festa degli Sconosciuti realizada em Ariccia (cidadezinha próxima a Roma que reuniu candidatos vindos de toda a Itália), Rita Pavone foi a grande vencedora. Nesse mesmo mês de setembro ela é contratada pela gravadora RCA Italiana, Teddy Reno torna-se seu empresário e passa a dedicar-se totalmente à carreira de Rita. Ainda em setembro, Rita grava o seu primeiro disco single: "La partita di pallone" e "Amore twist", que obteve um sucesso excepcional.

Em outubro, ela se apresentou pela 1ª vez na televisão (TV RAI), programa Alta Pressione. Em dezembro, Rita já fazia parte do elenco de Studio Uno (TV RAI), o mais importante programa italiano de variedades da época e, depois, como convidada permanente de outro show televisivo: "Studio One", dirigido por Antonello Falqui.

Em 1964 Rita iniciou suas tournées internacionais. Seu primeiro destino: Estados Unidos. Na terra do Tio Sam ela gravou os LPs "The International Teen-Age Sensation" e "Small WOonder". Em junho, vinda dos Estados Unidos e após apresentar-se na Argentina, Rita chegou ao Brasil pela primeira vez e conquistou o público brasileiro com sua simpatia, graciosidade e com a canção "Datemi un martello" (If I had a hammer).

1964 - Walter Silva (o Pica-Pau) recebeu Rita Pavone com Cláudio Carsughi servindo de interprete

1964 - No Brasil acompanhada pelo
The Clevers

1965 - De volta ao Brasil

1965 - Com Pelé no aeroporto de Moscou 1966 - Apresentação no Tele Ricordi

1965, No inicio do ano Rita foi aos Estados Unidos (Nashville - Tennessee) para gravar na RCA Victor e conheceu seus grandes ídolos: Elvis Presley e Brenda Lee. Em março, participou do programa 'The Ed Sullivan Show'. Em meados de abril ela vem à América do Sul (Argentina e Brasil) para shows em Buenos Aires, São Paulo e Rio de Janeiro. Também em 65 cantou com Johnny Hallyday, cantor de sucesso frances, num programa da TV RAI (veja o vídeo).

1969 - Com Teddy Reno

1969 - Nasce seu
1º  filho, Alessandro

Em 1968, em cerimônia religiosa apenas na presença de sua mãe e testemunhas, Rita se casou, em 15 de março, com Teddy Reno na cidade de Lugano (Suíça), e o casal passou a lua-de-mel no Brasil.
Foi um escândalo na sociedade italiana porque Reno (Ferruccio Ricordi) era casado com Livia Protti e não existia divórcio na Itália até 1970. No Natal, ela anunciou que seria mamãe.

Em 1969 sua carreira desacelerou na Itália, participou do Festival de San Remo com “Zucchero”. E
m 6 de agosto nasceu em Londres (UK), Alessandro Neil Cesare Ricordi, o primeiro filho de Rita e Teddy. Voltando da Inglaterra, a pequena família fixa residência em uma cidadezinha próxima a Lugano (Suíça).

Em maio de 1970, com pouquíssima divulgação, ela vem novamente ao Brasil e se apresenta em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre;
novamente participa do Festival de San Remo com “Ahi ahi ragazzo!”

Em 1971, no dia 19 de setembro, em Ariccia (cidade onde residiu do início de sua carreira até se casar no religioso em Lugano em 1968), Rita Pavone e Teddy Reno se casam oficialmente na Itália, que havia recentemente instituído a lei do divórcio.

Em 1972 participou em San Remo com “Amici mai”. Emplacou vários sucessos em outros países, tais como: “Arrivederci Hans” (Alemanha); “Bonjour la France” (França) e “”Io che amo solo te” (Brasil).

Desde então, Rita Pavone vendeu mais de 50 milhões de discos na Itália e em todo o mundo, graças a hits que até hoje todos sabem de cor: “La partita di pallone“; “Il ballo del mattone”; “Come te non c’è nessuno”; “Alla mia età”; “Fortissimo”; “Che m’importa del mondo“; “Cuore”; “Datemi un martello”; “Geghegè”; “Lui”; “Questo nostro amore“…apenas para citar alguns.

 

1974 - Nasce seu 2º filho, Giorgio

 

1974, no dia 19 de maio nasceu Giorgio Piero, o segundo e último filho de Rita e Teddy, em Lugano (Suíça),

Com um sucesso deslumbrante e sem fronteiras: Brasil, Japão, França, Alemanha, Espanha, Grã-Bretanha foram apenas alguns dos principais países que aclamaram Rita, colocando-a no topo das paradas com músicas escritas por autores italianos, posteriormente foi consagrada nos EUA como convidada especial do talk show de Ed Sullivan, compartilhando o palco com artistas como Ella Fitzgerald e Duke Ellington quando interpretou músicas inéditas cantadas em inglês que tiveram excelentes posições nos charts da Billboard e Cash Box. Revistas e jornais como o Herald Tribune e o New York Times publicaram críticas positivas dos shows, em especial um com lotação esgotada, que aconteceu em 20 de março de 1965 no Carnegie Hall, em Nova York. O apresentador foi Ed Sullivan, o mesmo que ajudou de forma decisiva Elvis Presley e os Beatles a ficarem famosos nos EUA. Em sua carreira Rita sempre foi acompanhada por Teddy Reno, que a descobriu no Festival Ariccia. Seus discos tiveram a colaboração dos melhores músicos da RCA, como os arranjadores extraordinários Ennio Morricone e Luis Enriquez Bacalov.

1976

1987 - Brasil

Mas o talento de Rita Pavone, desde cedo, permitiu a ela ser bastante versátil. Sua atuação memorável em 1964, quando viveu o papel de um menino de 12 anos, protagonista do filme "Il Giornalino di Gian Burrasca", dirigido por Lina Wertmüller, foi consagradora. Toda a trilha do filme foi composta por Oscar Nino Rota e organizada por Luis Bacalov e cuja música, "Viva la pappa col pomodoro", interpretada por Rita, tornou-se um enorme hit. A partir daí, Rita ganhou ainda mais notoriedade, participando de programas de TV: "Studio Uno", "Canzonissima", "Partitissima", "Festival di San Remo", mas também de atrações escritas especificamente para ela como "Esta noite ... Rita!"; "Olá Rita"; "Rita e Io"; "Esta noite com Rita no Circo"; "Che Combinazione"; "Venha Alice", em que além de cantora, também atuava como dançarina, imitadora e apresentadora; em filmes, como "Rita a filha americana" com Totò; "Little Rita in the West", com Terence Hill e Lucio Dalla, "Rita la Zanzara" e "Não provocar o mosquito", dirigido por Lina Wertmuller com Giancarlo Giannini e Giulietta Masina; "La Feldmarescialla", novamente com Terence Hill e importantes performances teatrais. E é ela mesma quem conta tudo sobre a sua vida e carreira, em 1997, no livro autobiográfico "In My Little".

Em novembro de 1987 Rita volta ao Brasil e apresenta seu show 'La Valigia' em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Sucesso total!

Em 1990, no curto espaço de três meses, Rita perdeu os pais, seu pai, morreu no dia 21 de março, vítima de derrame cerebral e sua mãe, portadora do Mal de Alzheimer, faleceu no dia 15 de junho.

Em setembro de 1997:a editora italiana Sperling & Kupfer, publica o livro autobiográfico de Rita Pavone 'Nel Mio "Piccolo", com 270 páginas e fotos em preto-e-branco que vão de sua infância à época da edição do livro.

Em 2005 nos meses de fevereiro, março, outubro e dezembro, Rita apresenta-se, pela Itália (Milão, Nápoles, Trieste e Roma), com o seu espetáculo de despedida de carreira, 'La mia Favola Infinita', onde também participam Teddy Reno e o filho Giorgio. Na televisão, o seu addio alla carriera artistica, é no programa 'L'Anno che Verrà' (TV RAI 1), em 29 de dezembro.

Nas eleições legislativas italianas de 2006, Rita candidatou-se, possuía
residência em Ariccia, a uma vaga no senado italiano, disputando pela circunscrição dos italianos no exterior, não sendo eleita. Vivia a participar de programas na TV Italiana com frequência.

Mas então em 2013, 19 anos após o último trabalho gravado e sete da saída de cena, Rita lança um trabalho que sempre sonhou em fazer: "Masters", álbum de estúdio duplo homenageando artistas que amou tanto na adolescência. Mestres como Fats Domino, Bobby Darin, Timi Yuro, Tony Bennett, Jerry Lee Lewis, Hoagy Carmichael, Burt Bacharach etc. São canções que Rita revisita também em italiano, modificando a interpretação e arranjos com versões assinadas por Enrico Ruggeri, Lina Wertmüller, Franco Migliacci, Dario Gay e Rita e ela própria. “Masters” saiu em 8 de outubro de 2013 e obteve uma resposta que convenceria Rita Pavone a retomar aos palcos, como convidada
especial de Gianni Morandi na Arena de Verona e a Renato Zero na Piazza di Siena em Roma - com uma série de shows em maio de 2014. Após os concertos italianos em Milão, Nápoles, Turim e Pádua, em 22 de junho, Rita levou seu talento ao exterior, em Toronto (CA), a mesma cidade onde a artista estreou em 1964 com sucesso extraordinário, 25.000 espectadores no Maple Leaf Garden.

Em setembro de 2015, com pouco mais de 70 anos de idade, foi lançado o livro "Tutti Pazzi per Rita" (Ed. Rizzoli), no qual descreveu, juntamente com o co-autor Emilio Targia, a trajetória de sua carreira com muitas histórias de bastidores e imagens extraordinárias.

O ano de 2016 começou com uma experiência completamente nova: Rita participou como concorrente de "Dancing with the Stars" transmitida por Rai Uno conduzida por Milly Carlucci, recebendo elogios e ovação de pé em cada performance e chegando a se classificar em terceiro lugar, apesar da fratura múltipla em uma costela.

Em 11 de fevereiro de 2017, na última noite da 67ª edição do Festival de San Remo, Rita Pavone recebeu das mãos do Diretor Artístico Carlo Conti e Maria De Filippiil a homenagem por seus 55 anos de carreira.

Em Maio de 2018, após 30 anos de ausência e com ampla divulgação Rita voltou ao Brasil na tournée 'Rita Pavone is Back', apresentando-se em quatro capitais: Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).
Nos shows, Rita, além de musicas dos anos 60 também apresentou canções de seu último disco "MASTERS", ainda não lançado no Brasil.

2016 - Na Italia 2018 - No programa de Danilo Gentile 2018 - Show em São Paulo 2019 - Na Europa

Atualmente Rita mora em Chiasso, no cantão de Ticino, Suíça e possui uma segunda residência em Ariccia, distante 28 km de Roma.
Seus dois filhos também moram na Suíça. Alessandro é apresentador de um programa na TV Suíça-Italiana e Giorgio é guitarrista e cantor de rock.

 

   
La partita di pallone - 1962 Amore Twist - 1962
Viva La Pappa Col Pomodoro  - 1963 - Rita Pavone e Enrico Simonett - Vídeo de 1966 Datemi un martello - 1964
Il Geghegè - 1966 Zucchero - 1969
Fortissimo - 1963 - Vídeo de 1990 Corazón (Cuore) - 1963 (Vídeo de 1995 em castelhano)
   
 

Página inserida em 13/09/2019

 
Voltar ao topo da página

  


Voltar à página principal