Voltar à página inicial
 

 
     
Johnny Hallyday (1943 - 2017)
   
Origem Wikipédia (ES), a enciclopédia livre.
Conheçam também:  Correio Braziliense
  Johnny Hallyday, o cantor que ofereceu a França o rock'n'roll
  Clique e ouça todas as 814 músicas
 

Johnny Hallyday, nome artístico de Jean-Philippe Smet (Paris, 15 de junho de 1943 - Marnes-la-Coquette, 5 de dezembro de 2017) foi um cantor e ator francês de origem belga por parte do pai.

Jean-Philippe Smet nasceu em Paris, filho de um belga, Léon Smet, e de uma francesa, Huguette Eugénie Pierrette Clerc. Seu pai, que trabalhava como intérprete de boate, abandonou família alguns meses depois. Sua mãe começou uma carreira de modelo que a deixou sem tempo para cuidar do filho, Jean-Philippe então foi criado por sua tia, Hélène Mar, e ganhou seu nome artístico do dançarino americano com quem sua tia era casada, ele se apresentava como Lee Halliday. Este tornou-se uma figura paterna e o chamava de "Johnny" interessando-o pela música americana. Durante uma festa em Dusseldorf, Jean-Philippe subiu ao palco no intervalo para interpretar David Crocket e Brassens.
Halliday atuou em mais de 30 filmes. Sua estréia foi aos 12 anos de idade, como um dos alunos do colégio do clássico As Diabólicas (Les Diaboliques, 1955), com Simone Signoret e a brasileira Vera Cluzout.

1943 - Cartão de seu nascimento 1943 - Sua mãe Huguette 1955 - Em Dusseldorf 1955 - Cena do filme "Les Diaboliques

Em 1957 a família mudou-se para Paris no nono distrito, Johnny fez amigos, alguns dos quais também se tornaram cantores (Jacques Dutronc e Eddy Mitchell). Neste período ele descobriu Elvis Presley e Influenciado por ele e pela revolução rock’n'roll dos anos 50, Hallyday começou a cantar rock'n'roll em francês. Seu single de estréia, "Laisse les filles" foi lançado no selo Vogue em março de 1960. Seu primeiro álbum chamava-se Hello Johnny.
Ele assinou com a Philips em julho de 1961 e Johnny Stark se tornou seu novo empresário, lançou seu cover de "Let's Twist Again" que vendeu mais de um milhão de cópias e foi premiado com um disco de ouro. Embora a faixa não tenha aparecido no UK Singles Chartle chegou a quase todas as paradas européias.

Anos 60 Detalhe do guidão da moto (JH) Anos 60 1963 - Cantando com Sylvie Vartan 1965

Ele apareceu no programa americano The Ed Sullivan Show com a cantora americana Connie Francis em um show gravado na boate Moulin Rouge em Paris. Fez também muitas aparições no Olympia de Paris sob a direção de Bruno Coquatrix. Para o concerto The Jimi Hendrix Experience fez a abertura em Nancy em 14 de outubro de 1966. Existem filmes de Hallyday festejando com Hendrix, seu gerente Chas Chandler e outros. Ele também socializou com Keith Richards e Bob Dylan.
“Noir c’est noir” é uma adaptação francesa feita por George Aber do título "Black Is Black", sucesso do grupo espanhol Los Bravos e saiu em 1966, o sucesso da musica foi imediato quando lançado. “Noir c'est noir” é um dos grandes sucessos de Hallyday.

Ele só retornou às telas já consagrado como cantor em As Parisienses (Les Parisiennes, 1962), ao lado de Catherine Deneuve. Em De onde vens tu, Johnny? (D'où viens-tu... Johnny?, 1963) atuou ao lado da atriz e cantora Sylvie Vartan, com quem se casaria em 1965. No filme, que ele estrelou, o cantor interpretava a si mesmo, papel que repetiu nos filmes À Procura de um Ídolo (Cherchez l'idole, 1964), Les Poneyttes( 1967) e A Aventura é uma Aventura (L'Aventure, C'est L'Aventure, 1972).
No final da década de 1960, Hallyday fez uma série de álbuns com Mick Jones (que escreveu quando de seu falecimento:
"-Johnny, meu querido amigo e inspiração ao longo dos anos. Vou sentir muito a sua falta. Você vai viver em minhas memórias eternas") e Tommy Brown como diretores musicais, e Big Jim Sullivan, Bobby Graham e Jimmy Page como músicos de sessão. Estes são “Jeune homme”, “Rivière” e “Vie”. Em “Je suis né dans la rue”, Hallyday também contratou Peter Frampton e Small Faces. Entre suas contribuições estão as músicas "Amen (Bang Bang)", "Reclamation (News Report)” e "Regarde pour moi ((What You Will)” que são variações das músicas de Small Faces e Humble Pie (banda de Frampton). Freqüentemente esquecida é a faixa do single e do LP do Hallyday "Que je t'aime " das mesmas sessões. Somente em 1969, seu recorde de vendas superou doze milhões de unidades.
Em 1965 esteve na Itália onde cantou ao lado de Rita Pavone, jovem cantora que já somava muito sucesso na Itália e na Europa, num programa da TV RAI (veja o vídeo).
Em 1967 veio ao Brasil para shows, só que no Maracanãzinho não deu muito certo. Queria cantar sábado mas uma enchente impediu que ele levasse o rock aos seus milhares de admiradores brasileiros. Com as águas até os joelhos, e obrigado a levar Sylvie Vartan nas costas, Hallyday conheceu a grande aventura que é morar no Rio de Janeiro (RJ).

1967 - Imagens deles na enchente no Maracanãzinho publicadas pela revista Manchete

Foto da enchente

Desenho (caricatura) publicada em jornal da França 1967 - Nem tudo foi tragédia no Rio de Janeiro, aqui os vemos na praia de Copacabana e no
Cristo Redentor

Um dos últimos shows do Hallyday, 100% Johnny: Live à la Tour Eiffel em 2000, atraiu um público de 500.000 pessoas e 9,5 milhões de telespectadores (o programa foi transmitido ao vivo pela TV francesa). Em dezembro de 2005 Hallyday teve seu terceiro single como número um na parada francesa de singles SNEP, "Mon plus beau Noël" (depois de " Tous ensemble " e " Marie"), dedicado a sua filha adotiva Jade.
Pouco antes de anunciar sua aposentadoria da turnê em 2007, ele lançou um álbum com sabor de blues, Le Cœur d'un homme. Além do single principal "Always", Le Coeur d'un homme também apresenta "T'aimer mal si", um dueto com o músico de blues Taj Mahal e "I Am the Blues", uma canção em língua Inglesa, escrito por Bono, vocalista do U2. Seu próximo álbum, Ça ne finira jamais , lançado em 2008, foi outro número 1 na parada de álbuns francesa, e seu single principal: "Ça n'finira jamais", também alcançou o número 1. O álbum do Hallyday Tour 66: Stade de France 2009 foi gravado no Stade de France durante sua turnê de despedida, gravado com Matthieu Chedid, e começou a turnê novamente.
Em 2012, ele deu concertos em diferentes países, incluindo a Rússia, e lançou o álbum L'Attente. Mais tarde, Hallyday lançou dois álbuns ao vivo, On Stage e Born Rocker Tour (uma gravação de seus concertos de 70 anos em Bercy e Theatre de Paris). Álbuns chamados Rester Vivant e De L'Amour foram lançados em 2014 e 2015, respectivamente. Em 2015-2016, Hallyday teve o Rester Vivant Tour. Um concerto em Bruxelas foi lançado como um álbum ao vivo em 2016.
Hallyday foi casado cinco vezes - incluindo duas vezes com a mesma mulher - e com os quatro primeiros casamentos terminando em divórcio. Seu último casamento foi o mais longo, durou vinte e um anos.
Seu primeiro casamento foi com a cantora francesa Sylvie Vartan, com duração de quinze anos, de 1965 a 1980. Seu filho David nasceu em 1966. Seu segundo casamento com Babeth Étienne foi o mais curto, durando 65 dias. Hallyday, em seguida, teve um relacionamento de quatro anos com a atriz francesa Nathalie Baye. Sua filha Laura nasceu em 1983. Seu terceiro e quarto casamentos foram com a mesma mulher, Adeline Blondieau, de 1990 a 1992, e de 1994 a 1995.
Johnny Hallyday conheceu Laeticia Boudou, uma modelo trinta e dois anos mais nova que ele em 25 de março de 1995, em Miami numa discoteca. Um ano depois, eles se casaram na prefeitura de Neuilly-sur-Seine, sob os olhos de Nicolas Sarkozy, então prefeito da cidade. Seu quinto e último casamento, com Laeticia Boudou, durou de 1996 até sua morte. O casal adotou em novembro de 2004 uma garota do Vietnã: Jade Odette Désirée, nascida como Bùi Thị Hoà em 3 de agosto de 2004, depois mais uma.

1965 - Casamento com Sylvie Vartan 1996 - Casamento com Laeticia Boudou 2002 - Atuando no filme "Man on the Train"
Com Jean Rochefort
2013 - Cantando

Hallyday residia em Los Angeles, possuía um chalé em Gstaad, na Suíça, de 2006 a 2015, para evitar a alta taxa de imposto imposta pelo governo francês. Em janeiro de 2014, Hallyday disse que sua residência era nos Estados Unidos depois que uma investigação de um jornalista suíço mostrou que Hallyday não passou tempo suficiente em Gstaad para se qualificar como residente.
Uma de suas atividades de lazer favoritas nos EUA era sair com sua Harley-Davidson em longas viagens pelo deserto da Califórnia, pernoitando em pequenos motéis ao longo do caminho.
Em julho de 2009 Hallyday foi diagnosticado com câncer de cólon e foi submetido a uma cirurgia. Em 26 de novembro de 2009, Hallyday foi operado em Paris para reparar uma hérnia de disco. Ele sofreu complicações e foi internado no Centro Médico Cedars-Sinai, em Los Angeles. Os médicos colocaram Hallyday em coma induzido para que pudessem reparar as lesões que haviam se formado como resultado da cirurgia e aliviar sua dor. Em 17 de dezembro de 2009, Hallyday e sua esposa iniciaram procedimentos legais contra o Dr. Stephane Delajoux, que havia realizado a cirurgia original. O conflito foi resolvido em fevereiro de 2012.
Hallyday morreu de câncer de pulmão às 10:10 pm em 6 de dezembro de 2017, com 74 anos de idade em Marnes-la-Coquette, perto de Paris. Macron, o presidente francês,  prestou homenagem dizendo que ele "- ... transcendeu gerações e está gravado na memória do povo francês". Em 9 de dezembro, seu funeral foi realizado em Paris e 900.000 pessoas estavam nos Champs-Élysées por onde seu corpo foi levado para a
Église de la Madeleine e o serviço foi assistido pelo presidente Emmanuel Macron e dois de seus antecessores. Ele foi enterrado na ilha caribenha de São Bartolomeu em 11 de dezembro de 2017.
No dia seguinte à sua morte, a cantora inglesa Birdy publicou no Instagram: "
É tão triste saber que o Johnny Hallyday passou. Foi uma verdadeira honra e uma alegria ter cantado com ele. Eu tinha 17 anos e estava muito nervosa e ele era tão meigo para mim." Birdy e Hallyday apresentaram "L'Idole Des Jeunes" juntos no "Johnny Hallyday, o Grande Show" .

2017 - Av Champs-Elysees durante funerais Presidente Marcron cumprimenta filho do cantor Torre Eiffel com mensagem agradecendo Esposa e filhas adotadas no funeral

Em fevereiro de 2018 seus dois filhos mais velhos, David e Laura, anunciaram que estavam contestando sua vontade de deixar todo o seu patrimônio para sua última esposa Laeticia e seus duas filhas adotivas. O testamento foi redigido na Califórnia e seus advogados alegam que viola as leis francesas que impedem que as crianças sejam deserdadas.
Hallyday já foi chamado de "o Elvis francês. The Daily Beast descreveu Hallyday como
"uma resposta gálica para Elvis Presley, que abalou a cena musical de seu país de origem com rock-n-roll estilo americano e travessuras de bad-boy". Ele permaneceu em grande parte desconhecido fora do mundo francófono e foi descrito como "a maior estrela do rock que você nunca ouviu falar" por um jornal de língua inglesa.
Foi nomeado Chevalier (Cavaleiro) da Legião de Honra em 1997 e Oficial da Ordem da Coroa (Bélgica).em 2001.
Morreu em dezembro de 2017 aos 74 anos. Hallyday enfrentava há anos um câncer no pulmão e havia sido internado nos últimos dias por conta de problemas respiratórios.
"- Johnny Hallyday morreu. Escrevo essas palavras sem acreditar nisso. Mas, foi assim. O meu homem não está mais entre nós e ele nos deixou nesta noite assim como viveu toda a sua vida, com coragem e dignidade", escreveu a esposa do artista, Laeticia Hallyday, em nota sobre o falecimento.
Em sua carreira de 57 anos, lançou 79 álbuns e vendeu mais de 80 milhões de discos em todo o mundo, principalmente no mundo francófono, fazendo dele um dos artistas mais vendidos na França e no mundo. Ganhou 5 álbuns de diamantes, 40 álbuns de ouro, 22 álbuns de platina e 10 Music Victories . Gravou quase 1.200 músicas e realizou 540 duetos com 187 artistas. Conhecido por sua voz forte e seus shows espetaculares, ele às vezes chegava entrando em um estádio no meio da multidão e uma vez pulando de um helicóptero sobre o Stade de France, onde se apresentou 9 vezes. Entre os 3.257 espetáculos concluídos em 187 turnês, os mais memoráveis foram no Parc des Princes em 1993, no Stade de France em 1998 (logo após a vitória da França na Copa do Mundo de Futebol) e na Torre Eiffel em 2000, que teve recorde de venda de ingressos para um artista francês.

Comparativo - Anos 60 e anos 2000 Hallyday e Sylvie Vartan
Anos 60
Anos 70 Johnny entre sua filha biológica Laura Smet  e sua esposa Laeticia, à direita
   

Vídeo homenagem após sua morte em 2017

Johnny Hallyday - Laisse les filles - 1960

Johnny Hallyday - Que Je T'aime - Live at Montreux, 1988 Johnny Hallyday/Sylvie Vartan - Elle est terrible/Tes tendres années-1993

Johnny Hallyday - Noir c'est noir - Live au Parc des Princes, 1993 Johnny Hallyday - Le Pénitencier, 1998
Johnny Hallyday - Allumer le feu - Live Stade De France 1998 Johnny Hallyday - J'en parlerai au diable - 2018 (póstumo)
   
 

Página inserida em 23/06/2019 

  
Voltar à página principal
 

 
Voltar ao topo da página